Select Page

É o medo irracional de estar sem celular ou aparelhos eletrônicos no geral. Ela está relacionada ao vício em outras tecnologias como computadores e videogames. Ou seja, quanto maior a dependência digital, maior a fobia.

É um termo muito recente e tem origem nos diminutivos ingleses No-Mo ou No-Mobile

A forma como as pessoas interagem com os meios de comunicação será incorporada em sua vida diária, influenciará o seu comportamento (pontos de vista) e até mesmo o desenvolvimento de seu cérebro.

A pesquisa recente revela que, em média, cada pessoa no mundo passa 6h e 42 min conectada à internet — o que, ao longo do ano, significaria que um total de 100 dias inteiros dedicados ao uso da internet.

A média do brasileiro é ainda maior: por aqui, ficamos conectados em média por 9 h e 29 min. Isso que dizer que, dos 365 dias do ano, em 145 deles ficamos conectados à internet.

Diante de dados tão alarmantes, como posso identificar se tenho uma dependência de tecnologia?

Diagnóstico : 5 ou mais respostas “sim”:

  • Você se sente preocupado com a Internet (pensa sobre a atividade on-line anterior ou antecipa a próxima sessão online)?
  • Você sente a necessidade de usar a Internet por uma longa quantidade de tempo, a fim de atingir a satisfação?
  • Você já fez vários esforços, sem sucesso, para controlar, cortar, ou parar o uso da Internet?
  • Você se sente inquieto, mal-humorado, deprimido ou irritado quando tenta diminuir ou parar o uso da Internet?
  • Você fica on-line mais tempo do que inicialmente previsto?
  • Você já comprometeu ou arriscou a perda de relação significativa, trabalho, atividade educacional ou oportunidade de carreira por causa da Internet?
  • Você já mentiu para membros da família, terapeuta ou outros para esconder a extensão do envolvimento com a Internet?
  • Você usa a Internet como uma forma de escapar de problemas ou de aliviar um humor disfórico (por exemplo, sentimentos de impotência, culpa, ansiedade, depressão)?

Alguns cuidados podem nos ajudar a evitar esse problema:

CUIDADOS GERAIS

  • Calendário de atividades
  • Cuidados com sono, alimentação e excessos
  • Higiene Pessoal
  • Atividade física regular
  • Relaxamento e técnicas para lidar com estresse
  • Para indivíduos que dividem a moradia, negociar espaços

CUIDADOS ESPECÍFICOS

  • Monitorar tempo de telas
  • Monitorar e regular comportamento das crianças e adolescentes
  • Usar APPs que dêem feedbeck do tempo de uso
  • Desvincular algumas tarefas aos smartphones
  • Uso da “parte boa da tecnologia”
  • Caso precise, buscar ajuda

Eduardo Bacelar
Médico – Psiquiatra
CRM 11497, RQE 7351